É comum estudos apontarem relações entre gêneros musicais e reações no corpo humano, mas recentemente um jornal publicou um artigo sobre o assunto e esse parece não fazer o menor sentido.

Com o título “Metal nos torna todos pesados ​​- Rock alto ligado ao desejo por alimentos gordurosos”, o jornal britânico The Daily Star escreveu uma matéria, somente para sua versão impressa, indicando que o tipo de música que ouvimos pode ditar quais alimentos consumimos e qual é o resultado deles em nossos corpos (via Louder).

A reportagem ilustrada pela foto da banda de heavy metal da Finlândia Lordi, afirma que a música alta, barulhenta e rápida estimula os ouvintes a se alimentarem com comidas mais gordurosas.

Por outro lado, o estudo por trás dessa teoria sugere que ouvir músicas clássicas ou de jazz que sejam leves e calmas, inspira as pessoas a fazerem escolhas mais “sensatas e moderadas”.

Repercussão da matéria

Nesta segunda-feira (10), o infeliz conceito abordado na matéria do The Daily Star foi discutido rapidamente durante o talk show britânico Jeremy Vine, onde os apresentadores não pareceram confiar tanto assim na teoria.

Ao ser provocada com o tema, a apresentadora Storm Huntley brincou falando sobre sua relação entre seu gosto musical e seus hábitos alimentares.

Eu sou meio que R&B e Pop. Isso não me dá vontade de comer uma salada. Nada parece me dar vontade de comer uma salada.

Jeremy Vine acrescentou dizendo que acredita que AC/DC “não seria a praia” da colega de programa e continuou sobre o assunto:

Pode ser uma dessas coisas clássicas que pessoas muito grandes são atraídas pela música heavy metal, e não o contrário. A música que nos faz querer salada, ainda não descobrimos.

Que fique claro: até agora nenhum estudo comprovou com conceitos realmente confiáveis que a música heavy metal tenha qualquer relação com a alimentação de seus admiradores.

 

Fonte: Tenho Mais Discos Que Amigos