O Queen está ganhando impressionantes £ 100 mil por dia, cerca de R$ 700 mil, com os direitos da cinebiografia Bohemian Rhapsody. Essa grana é fruto de um faturamento de £ 42 milhões, mais de R$ 289 milhões, em 12 meses com seus devidos descontos de impostos, conforme relatório da Companies House, divulgado pela Music News.

A cinebiografia de 2018 estrelada por Rami Malek como Freddie Mercury – que morreu em 1991 por complicações da aids – fez £ 700 milhões, cerca de R$ 4,8 bilhões, em todo o mundo nas bilheterias e continua sendo um grande sucesso nos serviços de streaming.

Especula-se há um bom tempo que o filme do Queen deverá ganhar uma sequência. Quem ventilou essa informação para a imprensa com muita força foi Rudi Dolezal, filmmaker austríaco que já produziu vários trabalhos da banda.

Falando ao Page Six em março de 2019, o profissional disse que essa possibilidade estava sendo discutida pelos integrantes do grupo britânico. “Estou certo que a banda tem planos para fazer uma continuação a partir do show do Live Aid”, disse Dolezal, destacando o momento no qual se encerra a história do filme que foi levado aos cinemas.

Não há uma confirmação oficial do Queen, no entanto, numa entrevista à Classic Rock logo após o lançamento da cinebiografia, o guitarrista Brian May deixou no ar a hipótese de uma sequência. “Pensaram que iríamos retratar Freddie morrendo no meio do filme, o que seria uma completa besteira. Entendemos que o Live Aid foi um ponto de ascensão para encerrar o filme. E, quem sabe, pode haver uma sequência [risos]”, comentou May.

 

Fonte: A Rádio Rock